Escola levou para a Marquês de Sapucaí o enredo História pra ninar gente grande, fez um desfile crítico e conquistou os jurados.

A Estação Primeira de Mangueira é a grande campeã do Carnaval do Rio de Janeiro de 2019. A escola desfilou na segunda-feira (4), segundo dia de folia, e levou para a Marquês de Sapucaí o enredo História pra ninar gente grande.

A Mangueira se destacou logo no início da apuração, ao ganhar nota máxima nos primeiros quesitos, Evolução, Harmonia, Mestre-sala e Porta-bandeira. A escola só levou três notas abaixo de dez de um dos qutros jurados de Alegorias e adereços, Enredo e Fantasias. Mas, seguindo o regulamento, elas foram descartadas — do total de quatro notas por quesito, a mais baixa é desconsiderada. Sendo assim, a Mangueira venceu com 270 pontos.

A escola nem precisou da última nota para garantir o título e, após o anúncio do 9,9 no quesito Fantasias, os diretores e componentes da Mangueira, que estavam na Praça da Apoteose acompanhando a apuração, vibraram muito.

O último título da Verde e Rosa foi em 2016, quando fez uma homenagem para a cantora Maria Bethânia. No total, a escola já ganhou 18 troféus do Carnaval carioca.

 

No desfile deste ano, a Mangueira recontou histórias do Brasil exaltando algumas “páginas” que foram omitidas. Na comissão de frente, por exemplo, a  escola substituiu grandes nomes da história por negros e índios.

O segundo carro foi um dos destaques do desfile ao trazer uma releitura do Monumento às Bandeiras, em São Paulo, e questionar a atuação dos bandeirantes, retratados não como heróis, mas como invasores que massacraram os povos indígenas.

Nas alas e alegorias, a Mangueira exaltou os verdadeiros heróis do país: negros, índios e pobres. A agremiação também fez uma homenagem para a vereadora Marielle Franco, assassinada em março do ano passado, com direito a bandeiras estampadas com o rosto dela na última ala.

Por/ R7

06/03/2019