De acordo com a investigação, o prefeito da cidade, João Cidinei (PR), teve o celular clonado e dinheiro da Educação foi desviada pelos bandidos.

Uma operação conjunta das polícias do Maranhão e Santa Catarina prendeu, em São Luís nesta sexta-feira (15), um bando que aplicava golpes por meio de um aplicativo de celular. Políticos eram alvos do grupo e em um dos casos, verba pública destinada para a educação de um município de Santa Catarina foi desviado.

No golpe aplicado pelos cinco suspeitos presos, cerca de R$ 250 mil foi desviado do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) do município de Anita Garibaldi, em Santa Catarina.

De acordo com a investigação, o prefeito da cidade, João Cidinei (PR), teve o celular clonado e por meio de um aplicativo de mensagens, os criminosos se passaram pelo gestor e pediram para uma servidora de confiança transferir a quantia para a conta dos criminosos.

“Estes indivíduos passaram a ter contato com todas as conversas antigas do celular do prefeito e identificaram um dos servidores municipais e a partir disso solicitaram a quantia a este servidor, que acreditava que estava falando com o prefeito”, disse o delegado Felipe Rosado, da Polícia Civil de Santa Catarina.

Entre os presos está Leonel Silva Pires, que responde a quatro processos pela Polícia Civil e pela Polícia Federal. Em 2018, ele foi preso por suspeita de clonar o celular de políticos, dentre eles, a governadora do Paraná, Cida Borghetti (PP).

Leonel Silva Pires também esteve envolvido em um esquema e chegou a clonar celulares de ministros do ex-presidente Michel Temer. No golpe, ele mandava mensagens se passando pelos ministros e pedia a amigos que transferissem dinheiro para uma conta. A polícia avaliou que o golpe chegou a R$ 500 mil.

Em janeiro, dois funcionário de Leonel Silva Pires foram presos por suspeita de clonar celulares de prefeitos do Maranhão e Paraná. Os investigadores apreenderam na casa de Leonel, um carro de luxo avaliado em mais de R$ 200 mil. Além dele, o advogado dele, que não foi identificado também foi preso.
Por Alex Barbosa, TV Mirante, G1 MA
15/02/2019