A Escola Municipal Professora Augusta Maria Costa, em São José de Ribamar, no Maranhão, não aceitou a matrícula de um garoto de 8 anos por ele usar o cabelo no estilo ‘black power’.

Joselma Lima, mãe da criança, disse que a diretora Helenita Rita Sousa informou no ato da transferência que o menino teria que cortar o cabelo para ficar no “padrão” da escola. Para a diretora, a atitude não está relacionada a racismo.

O garoto tem autismo e está no 3º ano do Ensino Fundamental. Com a recusa por parte da escola, ele está sem estudar no momento. O pai, Fábio Lima, registou um Boletim de Ocorrência em que faz denúncia de racismo e aguarda a conclusão do inquérito policial para levar o caso ao Ministério Público do Maranhão.

Segundo o pai, o menino ficou constrangido. A situação também teria causado pânico na criança. A família diz que não irá cortar o cabelo dele e que agora teme levá-lo à escola caso a matrícula seja liberada por possíveis represálias.

“A gente percebeu realmente pela forma como ela pegou no cabelo do meu filho, como ela olhou para o meu filho… tudo isso foi levado em consideração e não existe outro tipo de comparação ao não ser a comparação a um ato extremo de racismo, preconceito”, relatou Fábio Lima, pai da criança à TV Mirante.

 

Por/G1-MA

15/03/2019